Questões Éticas De Uma Enfermeira Pediátrica

Os enfermeiros pediátricos devem advogar pelas crianças que eles servem.

Os especialistas em ética profissional são eloqüentes sobre vários paradigmas éticos - consequencialismo, que foca nos resultados; deontologia, obcecada pelo dever; egoísmo, que busca o que é melhor para o ego. Como enfermeira pediátrica, você não tem o luxo de se entregar à teoria como se estivesse em um seminário de enfermagem. Sua obrigação ética é garantir um ambiente de segurança e cura para as pessoas pequenas confiadas aos seus cuidados

Conflitos Parentais

Os pais se divorciam, mas as famílias extensas perduram - especialmente com uma criança doente para se reunir. Se apenas um dos pais tiver a guarda legal de um filho, esse pai dita o acesso do outro pai. Os pais costumam usar uma criança como um peão em sua própria guerra pessoal, criando situações que simplesmente sugam. Eles não são justos e os adultos se recusam a ouvir a razão - em detrimento de seus filhos. Você não pode forçar os pais a serem justos ou civilizados, mas você pode proteger o bem-estar de seu paciente. Se você acredita que um dos pais apresenta um risco - por exemplo, fugir com o filho -, ajude a configurar um plano de segurança. Poste um guarda na porta, se necessário. Insista em que as divergências ocorram fora do quarto do hospital da criança. Em um ambiente ambulatorial, defina bandeiras cuidadosas no prontuário médico para controlar quem pode acessar quais informações. Um garoto doente não precisa do estresse de brigar com os pais para piorar as coisas. Você não pode curar a discórdia familiar, mas pode ajudar a impor um ambiente de segurança e cura enquanto a criança está sob seus cuidados.

Cuidados no fim da vida

Na maioria dos hospitais, o comitê de ética aparece quase exclusivamente para lidar com disputas sobre cuidados no fim da vida. Uma criança que foi gravemente ferida ou sofre de uma condição crônica fatal provavelmente não sobreviverá, mas os familiares às vezes exigem que o hospital faça tudo para prolongar a vida de seus filhos. Os médicos geralmente sabem quando o atendimento é fútil e não têm o dever de prestar assistência fútil. Mas os cuidados de fim de vida envolvem tanto a família quanto a criança. Às vezes a família precisa de tempo para se despedir. Como enfermeira, você sabe o que vai acontecer. Sua tarefa é ajudar a família a aceitá-lo. Envolva capelães e conselheiros da equipe para fornecer apoio emocional adicional aos membros da família em luto. Evite ser sugado pelo drama e não forneça falsas esperanças: sua tarefa é garantir o melhor interesse de seu paciente, e isso geralmente significa prestar cuidados de conforto até que a família esteja pronta para descontinuar o suporte de vida.

Abuso e Negligência

Casos óbvios de abuso e negligência geralmente são resolvidos na sala de emergência. Casos menos óbvios são mais difíceis de identificar e afetar os enfermeiros em ambientes hospitalares e ambulatórios. Quando você vê uma criança mal-humorada, retraída, apresenta um histórico complicado de trauma ou demonstra medo de um pai ou adulto, considere-a um sinal de alerta e confie em seu instinto. A maioria dos estados exige RNs que suspeitam de abuso ou negligência para apresentar relatórios com a agência de serviços de proteção infantil do estado. Judith Herman, médica e defensora da vítima, observou em seu influente livro "Trauma and Recovery", de 1992, que os "sintomas de sofrimento psicológico de pessoas traumatizadas simultaneamente chamam a atenção para a existência de um segredo indescritível e desviam a atenção dele". Se você estiver debatendo se uma criança pode estar em risco, fale com o médico da criança ou consulte um assistente social. Uma investigação que surge vazia é melhor do que ignorar - e assim perpetuar - um "segredo indescritível".

Guardiões Resistentes

Os adultos não precisam passar em um teste de competência para procriar, um fato que não faz sempre trabalhe bem para sua progênie doente. Alguns pais, por razões religiosas ou culturais, limitam os tipos de tratamentos que eles aprovam para seus filhos. Por exemplo, algumas seitas fundamentalistas recusam a vacinação e as Testemunhas de Jeová recusam transfusões de sangue. Como profissional clínico licenciado, você sabe qual é a melhor prática para seu paciente - mas os direitos dos pais geralmente superam a literatura médica. Nos casos em que a solicitação de um dos pais ameaça diretamente a vida ou a saúde de uma criança sob seus cuidados, não hesite em encaminhar o assunto ao comitê de ética de sua organização de saúde ou a um assistente social médico para uma avaliação mais aprofundada. Em alguns casos, um tribunal pode conceder direitos de tutela temporária em nome da criança, enquanto a aptidão dos pais é examinada de forma extra.

Autocuidado

Crianças doentes puxam nossos corações, e estar no meio de disputas éticas sobre uma criança doente pode revelar-se emocionalmente desgastante. Uma enfermeira pode demorar muito, mas ela atinge um ponto de ruptura como qualquer outra pessoa. Encontre maneiras de cuidar de sua própria saúde mental, especialmente quando tiver lidado com problemas complexos e emocionalmente complexos no trabalho. Algo tão simples como um dia no spa ou um fim de semana preguiçoso com o seu outro significativo pode ajudar - mas nunca hesite em procurar aconselhamento profissional se os fardos emocionais que você lida no trabalho se intrometerem na sua vida doméstica. Uma enfermeira emocionalmente comprometida é ela mesma um risco clínico e ético para as crianças sob seus cuidados.