Vantagens E Desvantagens Da Securitização Para Emissores E Investidores

A securitização contribuiu para a crise financeira de 2007, mas continua sendo uma classe de ativos grande e popular.

Securitização ou o processo de agrupar ativos como hipotecas em títulos, tem um mau nome após a crise financeira de 2007. No entanto, continua a ser uma prática consagrada pelo tempo, que começou na década de 1970 e continua até hoje, com trilhões de dólares de títulos em circulação. As características distintivas desses títulos oferecem aos investidores e às empresas oportunidades e armadilhas.

Como funciona a securitização

O processo de securitização envolve quatro etapas básicas. Na primeira etapa, uma empresa, conhecida como originadora, escolhe uma carteira de ativos que deseja vender ou retirar de seu balanço. O originador é muitas vezes uma instituição financeira que visa se livrar de ativos, como empréstimos e hipotecas. Na segunda etapa, a "carteira de referência" é transferida para um veículo para fins especiais, ou SPV, por razões legais e fiscais. O SPV emite títulos com juros, como títulos lastreados em hipotecas, que são usados ​​para financiar a aquisição dos ativos. Na etapa final, os investidores são pagos ao longo da vida do negócio a partir dos fluxos de caixa gerados pelos ativos da carteira.

Vantagens e Desvantagens para Emissores

Uma das principais atrações da securitização para emissores é o extrapatrimonial tratamento, o que significa que os ativos incluídos na carteira de referência são eliminados das demonstrações financeiras do originador. O benefício para as instituições financeiras é que a securitização libera capital regulatório - os ativos que os bancos são obrigados a manter por seus reguladores financeiros para permanecerem solventes. Além disso, a securitização pode oferecer aos emissores classificações de crédito mais altas e menores custos de empréstimos. Uma das maiores desvantagens para os emissores é que é muito mais complicado estruturar uma securitização do que estruturar tipos tradicionais de dívida, como um empréstimo bancário ou um vínculo corporativo. Além disso, as transações podem nem sempre levar ao tratamento fora do balanço, reduzindo o benefício para as instituições financeiras

Vantagens e Desvantagens para os Investidores

Muitos investidores migram para securitizações por causa de suas classificações de crédito "AAA", significando que uma ou mais agências de crédito, como a Moody's, acreditam que os investidores não perderão seu dinheiro com esses investimentos. Esses altos ratings são possíveis por meio de uma combinação de características, como seguro de títulos, cartas de crédito e estruturas de crédito subordinadas. Os investidores também apreciam a diversificação que a securitização pode trazer para suas carteiras. No entanto, nem tudo é luz do sol, já que certas securitizações têm risco de pré-pagamento - a chance de que os fluxos de caixa do negócio aceleram em relação às expectativas. Por exemplo, um pool de hipotecas pode pagar antecipadamente de refinanciamentos, devolvendo dinheiro a investidores em um ambiente de taxa de juros mais baixa. Além disso, alguns negócios simplesmente fracassam, como os títulos lastreados em hipotecas que azedaram durante a crise financeira de 2007.

O papel da securitização em uma carteira de investimentos

Os investidores podem escolher entre uma ampla gama de investimentos em securitização, inclusive prime e hipotecas subprime, empréstimos imobiliários, empréstimos para aquisição de veículos e recebíveis de cartões de crédito. Os investidores que não desejarem escolher títulos individuais podem comprar um índice com ampla exposição, como o Índice ABS dos EUA. A securitização representa uma enorme classe de ativos com muitos compradores, mas é fundamental que os investidores avaliem seus objetivos e tolerância ao risco ou procurem o conselho de um consultor financeiro profissional.